Sustentabilidade

Embalagens 100% recicláveis e ‘inteligentes’: conheça os planos da Henkel

Embalagens sustentáveis até 2025: conheça os planos da Henkel

Com o objetivo de reforçar o seu compromisso de sustentabilidade e de promoção de uma economia circular, a Henkel anunciou esta quinta-feira (13 de setembro) que pretende que, até 2025, todas as suas embalagens sejam 100% recicláveis, reutilizáveis ou biodegradáveis.

Numa nota enviada às redações, a multinacional compromete-se a usar 35% de plástico reciclado nos seus produtos de consumo na Europa. Kathrin Menges, Executive Vice President Human Resources da Henkel e Chair of Henkel’s Sustainability Council, defende que “é mais importante do que nunca para as empresas, consumidores, governos e outras organizações impulsionarem o progresso em direção a uma economia circular. Somente reutilizando e reciclando todo o material possível conseguiremos viver dentro dos recursos limitados do nosso planeta. Este conceito está no centro da nossa abordagem para as embalagens sustentáveis.”

A empresa sublinha também que “está comprometida em incluir uma percentagem crescente de matérias sustentáveis nas embalagens dos seus produtos”, o que passará também pelo design de “embalagens inteligentes”.

“Tendo em conta que os materiais de embalagens recicláveis ou renováveis muitas vezes vêm com propriedades diferentes, por exemplo relativamente à estabilidade ou aparência, os designs inteligentes são o pré-requisito para substituir material virgem nas embalagens dos produtos Henkel”, explica.

No âmbito desta estratégia, a Henkel está a colaborar com diversos parceiros para impulsionar a inovação no desenvolvimento das embalagens e promover melhorias nas infraestruturas de reciclagem, nomeadamente a New Plastics Economy, uma iniciativa liderada pela fundação Ellen MacArthur que junta stakeholders para repensar e redesenhar o futuro do plástico e criar um impulso para uma economia circular.

A aposta numa economia circular é cada vez mais estratégica e parte dos planos de sustentabilidade e responsabilidade social corporativos. É o caso da C&A, que desenvolveu uma linha de t-shirts 100% biológica, da H&M, que financia projetos inovadores que reduzam o impacto ambiental negativo da indústria da moda, da L’Oréal, que quer dar nova vida às embalagens de cosméticos, e do Continente, que está a reaproveitar excedentes alimentares para desenvolver novos produtos.