Empresas

Lucros da Sumol + Compal atingem 10,5 M€ em 2015

Fábrica da Sumol+Compal em Almeirim, 9 de abril de 2013. MARIO CRUZ/LUSA

A Sumol + Compal apresentou esta semana os seus resultados do exercício de 2016, reportando lucros líquidos de 10,5 milhões de euros, um crescimento de 24,7% face ao período homólogo.

Numa nota enviada às redações, a empresa revela que em 2016, atingiu um volume de negócios de 355,8 milhões de euros, mais 4,3% face a 2015, ano em que a empresa fechou o exercício com um volume de negócios de 341,3 milhões de euros.

“As vendas totais da empresa atingiram, em 2016, um total de 346,1 milhões de euros, o que representou uma subida de 5,4% relativamente ao período homólogo em que esta rúbrica se fixou nos 332,2 milhões de euros”, refere a Sumol + Compal.

A companhia revela ainda que no mercado português, as vendas da Sumol + Compal cresceram para 245,1 milhões de euros, mais 5,4% do que em 2015. Nos mercados internacionais, por sua vez, as vendas da empresa atingiram 101,0 milhões de euros, um aumento de 1,3%, representando agora 30% das vendas totais da empresa.

Para Duarte Pinto, CEO da Sumol + Compal, “a Sumol + Compal registou um desempenho muito favorável, no exercício de 2016, apesar de algumas condicionantes nos mercados, havendo a assinalar os comportamentos positivos tanto da atividade nacional, como nos países estrangeiros em que estamos presentes. Mais uma vez temos que assinalar o crescimento das vendas, demonstrativo da forte implantação das marcas produzidas pela Sumol + Compal”.

Para este ano, e para o mercado português, em particular, a empresa acredita que “o mercado dos refrigerantes será negativamente afetado pela aplicação do Imposto Especial de Consumo às bebidas adicionadas de açúcar ou outros edulcorantes. Passam a existir dois escalões do imposto, 8,22 € ou 16,46 € por hectolitro, consoante o teor de açúcar da bebida. O impacto negativo será certamente significativo e mais forte nas vendas no canal alimentar, uma vez que nos estabelecimentos deste canal o preço médio por litro da bebida tende a ser bastante inferior ao preço médio por litro de bebida nos estabelecimentos do canal Horeca. Tendo em conta que o mercado dos refrigerantes é o que tem maior peso, em valor, na categoria das bebidas refrescantes, e a importância daquele mercado para a Sumol + Compal, a empresa entende não ser possível prever a evolução do volume de negócios em 2017, em Portugal.”